29 setembro de 2016 Artigos,Notícias Nenhum comentário

darts-673229_960_720

Para acertar previsões, seja na vida pessoal ou profissional, você não precisa de cartas ou de uma bola de cristal. Bastam a dúvida, o pensamento racional e o rigor científico. Parece difícil? Nem tanto.

A preocupação em aumentar o índice de acerto das previsões no mundo dos negócios – que hoje é de apenas 15% – leva a estudos de décadas, com as mais diferentes análises possíveis. Um desses estudos chama a atenção justamente pelo grupo escolhido como foco: donas de casa, aposentados, professores… enfim, gente “comum”. A pesquisa feita em parceria com um consórcio de inteligência do governo americano constatou que algumas pessoas são capazes de acertar 60% mais previsões do que a média. Esses bons resultados não vinham de nenhuma informação privilegiada, mas de um pensamento mais racional do que a maioria. Sabe a melhor parte dessa história? Esse raciocínio pode ser “aprendido” por qualquer pessoa, seguindo alguns comportamentos simples. Confira.

Duvide sempre

A dúvida é o princípio da certeza. Pessoas que duvidam ter a posse da verdade conseguem separar sua opinião dos fatos, sua emoção da razão, e assim não ignoram a realidade. Estar atualizado e adquirir novos conhecimentos são maneiras eficientes de encontrar novas soluções para os problemas.

Admita que você não sabe tudo

Até os profissionais mais reconhecidos sabem que seu conhecimento e sua capacidade de prever mudanças e situações é limitado. Para se tornar um bom analista e nortear melhor suas decisões é importante reconhecer que você não sabe tudo, não domina todos os fatos e precisa de ajuda em certos momentos. Compartilhar conhecimento, absorvendo o que as outras pessoas têm a oferecer, é muito valioso para ampliar sua visão de mundo e aumentar seu campo de análise para a tomada de decisões.

Analise os erros

Os fracassos fazem parte da vida e devem ser encarados como forma de aprendizado. Mas quem disse que você também não pode aprender com o sucesso? Se buscar explicações para os erros é uma conduta muito comum, por que não fazer o mesmo em relação aos acertos? Avaliar toda a trajetória, até a decisão que se mostrou acertada, é uma forma de analisar se suas previsões se confirmaram ou não. Assim você fica pronto para fazer os ajustes necessários, de forma objetiva e consciente. E lembre-se de não ficar se martirizando pelos erros cometidos, afinal a automotivação também faz parte do processo.

Tenha sempre mais de uma fonte

Conhecer um assunto com o mínimo de profundidade necessária para fazer uma previsão acertada exige que você se informe. Para isso, fontes variadas de informação ajudam a ampliar sua visão sobre o tema em análise. Mas cuidado: excesso de informação não significa conhecimento! Selecione fontes confiáveis, com pontos de vista distintos. Nessa hora, equilíbrio é fundamental: não se apresse, mas também não fique remoendo as decisões que precisam ser tomadas. Encontre o ponto certo entre intuição e razão, reflita, preveja e decida.

Escrito por Ação Gerencial