10 janeiro de 2017 Artigos,Notícias Nenhum comentário

Na era digital, quem não é visto na internet não é lembrado. Essa regra vale tanto para a sua empresa quanto para a sua carreira. Com tantas redes sociais disponíveis, não estar presente em pelo menos uma delas pode ser prejudicial para ambos. Afinal, nas redes o networking é constante, e quem não marca presença acaba caindo no esquecimento. Mas tenha calma! Não vá criando mil perfis diferentes e postando coisas sem sentido só para aparecer. Lembre-se que o mundo digital é bem parecido com o mundo real, portanto coerência e bom senso são muito bem-vindos.

Se você não gosta do Facebook ou do Snapchat, tudo bem. Não precisa criar um perfil só porque todo mundo está lá. Você pode marcar presença no mundo digital através do LinkedIn, por exemplo. A rede social de negócios da Microsoft possui mais de 15 milhões de usuários só no Brasil – um lugar perfeito para fazer e manter contatos.

Se você já tem um perfil preenchido no LinkedIn, ótimo! Mas tudo pode ser melhorado não é mesmo? Se você ainda não tem, sem problemas! Nossas dicas também vão te ajudar a tirar o máximo proveito dessa rede. Vamos lá?

Dica 1 – Sua imagem é importante

Acredite: aquela selfie onde você aparece toda produzida para uma festa, ou a foto com os amigos na balada, não são a melhor imagem para o seu LinkedIn. Afinal esta é uma rede social voltada para o mundo dos negócios. Você iria para uma entrevista de trabalho com o mesmo visual que vai a uma festa de casamento ou ao churrasco do final de semana? Claro que não. Então por que usar uma foto assim no seu perfil? Invista em uma imagem que transmita credibilidade, mostrando bem o seu rosto para facilitar que as pessoas te reconheçam.

Dica 2 – A 1ª impressão é a que fica

Uma foto adequada vai causar uma boa impressão sobre você, mas não é o suficiente. Detalhes como o seu nome, o cargo que você ocupa e a empresa onde trabalha são muito importantes. Se não está trabalhando, evite preencher este campo do LinkedIn com informações como “disponível” ou “em busca de recolocação”. Isso porque na hora de procurar profissionais, o recrutador não digita essas palavras no campo de busca da rede social. Então é melhor escrever termos que permitam que seu currículo apareça nos resultados das pesquisas, sempre de acordo com a sua área e com as suas qualificações. E não se esqueça de verificar se está tudo escrito corretamente, sem erros de português e de digitação.

Dica 3 – Mais vale um perfil sucinto do que cheio de mentiras

O LinkedIn oferece inúmeros campos para você preencher. Quanto mais informações você colocar a seu respeito, melhor. Mas isso não significa que você deve preencher todas as opções possíveis só para ter um perfil completo. Se não tem experiência com trabalho voluntário, por exemplo, melhor deixar em branco do que inventar uma história ou colocar outras informações. A mentira cedo ou tarde pode ser descoberta, e o resultado é bem mais embaraçoso do que apenas admitir que não tem uma determinada experiência ou qualificação. O mesmo vale para os idiomas: se o seu inglês é básico, não coloque que é fluente. Assim você evita um vexame caso seja chamado para colocar sua fluência em prática.

Quer contribuir com mais alguma dica? Deixe sua sugestão nos comentários.

Escrito por Ação Gerencial