11 novembro de 2015 Artigos,Notícias Nenhum comentário

É comum que as escolhas no início da carreira sejam feitas com certo atropelo, com pressões sociais e familiares. Por isso, boa parte das pessoas sentem a necessidade de reavaliar os rumos de seus trabalhos em algum momento, seja para mudar de área ou para exercer novas funções. Nessa hora, é importante saber reconhecer o que temos de melhor enquanto profissionais: nossas competências.

São nossas habilidades que determinam aquilo que somos bons em fazer – e que funcionam como uma bússola para apontar o caminho nessa nova etapa. Elas abrem portas e devem estar, inclusive, no seu currículo. As experiências e empregos que você teve demonstram o que você já sabe fazer. Elas não vão ser muito uteis caso seu interesse seja uma posição completamente distinta da área onde você atuou, certo? Se o intuito é começar algo novo, a melhor forma de se candidatar é listando competências que tenham a ver com o exercício daquela atividade.

Como fazer isso? Coloque no papel. Fazer uma lista das suas competências é o melhor exercício. Lembre-se de “desmembrar” suas atividades, inclusive as não profissionais. Se você trabalhava na gerência de uma fábrica, por exemplo, deve ser bom em planejamento. Se gosta de passar tempo com os amigos e ouvi-los, provavelmente tem boas relações interpessoais.

Outra ideia é pedir que duas pessoas que o conheçam bem profissionalmente façam essa avaliação. A forma como o outro nos vê é importante para termos a medida real de nossas habilidades. Assim, você vai saber no que realmente é bom, não o que você acha que é bom. Outra opção é procurar o serviço de coaching, que fará uma avaliação completa. Quando você mapear suas competências, foque nelas. Você terá mais resultados desenvolvendo seus pontos fortes do que tentando suprir suas falhas.

Escrito por Ação Gerencial